<

sopros de lar

ilhados em silêncio,
nós dois perdidos
num mar de táxis amarelos

o emprego de navegantes
abrindo novas feridas
jorrando um sangue vivo
coagulando-se só quando em paz

a fuga
  o silêncio hemorrágico
em seu fim

nos cruzamentos dos olhares
os faróis da compreensão
se acendem e iluminam
a calmaria que nos permite velejar
por novas promessas

afluir por nosso mar
seguir à casas que inventarmos
para sempre curandeiras
de nossas dores e desejos

<