Textos de Luciano

balada da noite

eu esperava maior desespero dessa
noite que não acaba
nunca

e não há mão de
berço que embale
essa história

porque sem
alguém a balada da
noite é vazia.

ao acordar

ela levantava suavemente,
tentando não me acordar ao
pegar os pratos e levar pra cozinha
sorrateira
mas dessa vez eu abri os olhos
pra vê-la
surpresa vestida com minha camisa de golfinhos
e a surpresa foi minha
pela violência e gentileza
de seu fantasma

acompanhante

um corredor
  vazio na
penumbra

um fantasma seu me
  assusta
alegra e eu

desgovernado ligo a luz
em um suspiro
nada mais é confortável e
tudo é calmo
demais pra nós
  três

vou ver

andar de madrugada pelas ruas da cidade é
tranquilo o vento que passa pela minha camisa de malha fina
arrepia
o ar limpo dessas horas me faz sentir parte de mim novamente

é de forma convicta que firmo cada passo chegando
perto de mim um canto de passarinho me alerta da
juventude que se passou
em marcha automática retorno à consciência
confusa

eu cheio de arrependimentos
e agora paro para dar valor
às consequências.

canto do leste

vou dormir
na hora em que os postes quentes
pensam
que já está na hora de dormir.

mesmo que os galos digam bom dia
que os canários digam bom dia
e até os corvos
mensageiros do sono eterno
digam bom dia
vou dormir.

mas a hora de dormir
a hora em que o interior mais ferve e queima
é a hora em que penso no seu pássaro bom-dia
a hora
em que tudo é luz

menos nos postes
e no lado de dentro das pálpebras.