Textos de Luciano

meditação

de vez em quando, me deixo absorver pela escuridão

ela não é fria, ou morna,
                ou assustadora

toco meu rosto, meu peito, com a ponta dos dedos,
     livre de qualquer julgamento ou consciência

não sou mais um animal,
     nem sofro ou sorrio ao ver as memórias
que desfilam, sem ordem e contexto,
sem pretensa de verdade

não sou liberto nem presidiário
não sou problema ou solução

até o momento em que involuntariamente
     parte de mim tateia a luz remanescente

a humanidade e o clarão
a nova, a refeita, realidade

abaixo do horizonte, acima do mar

me sinto pesado à luz da manhã,
um lembrete da vida lá fora
um alarme reverso

abro a porta do microondas,
os apitos, o apertar dos olhos,
o cheiro do café solúvel

de costas pro sol, de frente pra varanda,
o que me impede da névoa
é a tela em rede, com seus nós

à beira do mirante, sou
    rarefeito
    alpinista
    delirante

refluxo

me convido à sua vida como o soco ao estômago depois de uma noite de cachaças.
qualquer contato contigo é nauseante e doce
e me queima
do peito até a boca que
                 não sabe se
                          se cala
                       ou se vicia.

pela manhã, o café me acorda
e evidencia os lapsos, os vazios da noite.
meu corpo, quase em reflexo, recorda sua acidez,
sua desnecessariedade
  como um trauma irracional
    cada parte de mim
       repassa seu toque,
    enquanto a mente
      disfarça.

distante,
  a lua
minguante.

na livraria

    era um menino vestido como eu me vestia aos quatorze. com a mesma paixão nos olhos, com a mesma confusão nos movimentos. e, como eu em minha virtude, visivelmente perdido entre o caos e os sentimentos.
    projetei seu futuro como quem joga os búzios: aos dezesseis, amaria uma serpente; aos dezessete, aplicaria bêbado o que achava que aprendia nos filmes pornôs. aos vinte e um, realizaria que sua teimosia não é nada diferente da de seus pais. aos trinta e dois, pela primeira vez, entraria em pânico com o pensamento de que sua morte não é a mesma que leu na poesia.
    veria que sonetos são antiquados, mas que há espaço na vida pro subjetivo, pro analógico. veria que sua vida é tão feliz e tão sofrida quanto a do outro, mas se sentiria ainda mais sozinho com isso.
    seria gentil nos dias bons, seria áspero nos dias bons. teria dias bons.
    devolvi o shakespeare pra prateleira de uma forma arbitratriamente barulhenta, mas não consegui alcançar seus olhos.

entre quatro paredes

queria dormir
na sua cama
esta noite

não quero
nada não
    nem esquemas
    nem holofotes
    nem segredos

só quero o quase-ver do seu sorriso
sabendo que ele existe nesse vulto
e está guardado em mim e em seus lençóis.