Textos de Bernardo

Poema do Seu Despertar (ou Poema das Seis da Manhã)

Acorda, minha flor!
Desperta junto o mundo com seu perfume,
desacorda meu ser em sua essência.
Depois, nos amemos aos montes,
sem nem notar que o tempo parou,
porque o sol já desistiu de raiar
somente para admirar
o matinal desabrochar do nosso amor.

Saudade

Sopra este vento sul
e traz a garoa umedecendo
  meu peito aberto
  por conta da camisa
    do primeiro botão perdido
    que você tanto gostava.

Me deixo molhar
               e ventar pro norte

Daltônico

Uma confissão
  há um arco-íris
    multicromático
  a cada palmo desse cinza estático
por São Paulo.

Luzes e cores
  não encontradas
    daltonicamente
  por essa doença criada nas areias
de Copacabana.

taxa de embarque

o raio-x não detecta
na bagagem de mão
  toda essa melancolia
tão perigosa quanto qualquer explosivo

o detector de metais não capta
no fundo bolso direito
  esse abandono afiado
e todas suas funções de canivete suíço

se encontrassem tudo
eu simplesmente os colocaria
  de muito bom grado
  dentro daquele lixo
junto com tantos outros objetos
  pontiagudos ou
inflamáveis

Boa Sorte

Eu sou as curvas do antigo trem pelos morros,
       os nelores ruminando em movimento perpétuo no pasto,
       a árvore sozinha, só atormentada pelo vento seco e quente.

Eu sou a poeira do passar do caminhão de leite,
       o alvoroço das maritacas no fio de alta tensão,
       os formigueiros pisados por brincadeiras de criança.

Eu sou a estradinha que não leva a lugar nenhum e nem tem pressa de levar,
       o pé de milho fazendo valer a vida na terra recém arada,
       o coreto e a tv comunitária esperando dar a hora da novela.
       
Eu sou o prazer de enfiar a mão até o cotovelo num saco de grãos de feijão,
       o par de havaianas soltas e tortas marcando o gol na praça,
       Dona Adélia gritando, chamando os netos para o almoço pronto.
       
Eu sou a sobra de tempo que mora na mesinha de xadrez,
       as lendas e apelidos ofensivos dos mendigos e pedintes,
       o tilintar abafado das bolas de gude com a areia do parquinho.
       
Eu sou saudades,
       inocência
       e roça.