Textos de Bernardo

Terça-feira

coleto provas de que hoje estou
vivo

essa dor no corpo
  de atleta das madrugadas
esse carpete na língua
  borrado das cinzas do cigarro barato
são evidências de que aqui
  nesse espaço-tempo
  separando a cama do banheiro
ainda existo
  ainda que apático
    sobrevivo

existo
zonzo com a obrigação
de começar a semana
  de novo

sem seus óculos
sem meu engov

Felicidade de Domingo

A solidão é expurgada
pelas suas unhas
cravo a cravo
espremido das minhas costas
por fim limpa.

- Doeu?

Física (Ou Falta de Química)

minha velocidade é constante:
três decepções
  amorosas ou não
por hora

claustrofóbicos

do lado de fora
é o além de nós
e cá pra dentro
moro num abraço
resultado de um
sonho dessa mão
a repousar esta
minha que treme

na ânsia em poder ver-me livre e respirar todo aquele ar carregado do seu cheiro

Insolúvel

Sou rocha
  sólida
  sem vida
Afogado no teu mar
  de lágrimas
  de mágoas